<%@ Page Language="pt" ContentType="text/html" ResponseEncoding="iso-8859-1" %> Mario Quintana: Eterno Espanto <body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6887636\x26blogName\x3dMario+Quintana:+Eterno+Espanto\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://quintanares.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://quintanares.blogspot.com/\x26vt\x3d-4214758416779650775', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
sexta-feira, fevereiro 29, 2008

Horror

Com os seus OO de espanto, seus RR guturais, seu hirto H, HORROR
é uma palavra de cabelos em pé, assustada da própria significação.




[Mario Quintana; Sapato Florido, 1948]



O estranho caso de Mister Wong

Além do controlado Dr. Jekyll e do desrecalcado Mister Hyde, há também um chinês dentro de nós: Mister Wong. Nem bom, nem mau, gratuito. Entremos, por exemplo, neste teatro. Tomemos este camarot. Pois bem, enquanto o Dr. Jekyll, muito compenetrado, é todo ouvidos, e Mister Hyde arrisca um olho e a alma no decote da senhora vizinha, o nosso mister Wong, descansadamente,
põe-se a contar carecas na platéia...
Outros exemplos? Procure-os o senhor em si mesmo, agora mesmo. Não perca tempo. Cultive o seu Mister Wong!



[Mario Quintana; Sapato Florido, 1948]




conversa de cemitério

- Como vai você aí, vizinho?
- Oh! em excelente estado de putrefação.


quinta-feira, fevereiro 28, 2008

Epígrafe

As únicas coisas eternas são as nuvens...









[Mario Quintana; Sapato Florido, 1948]


quarta-feira, fevereiro 27, 2008

Triste Época


Em nossa triste época de igualitarismo e vulgaridade, as únicas
criaturas que mereceriam entrar numa história de fadas são os
mestre-cucas, com os seus invejáveis gorros brancos, e os porteiros
dos grandes hotéis, com os seus alamares, os seus ademanes, a sua
indiscutida majestade.




[Mario Quintana; Sapato Florido, 1948]


terça-feira, fevereiro 26, 2008

Parábola

A imagem daqueles salgueiros nágua é mais nítida e pura que os próprios salgueiros. E tem também uma tristeza toda sua, uma tristeza que não está nos primitivos salgueiros.




[Mario Quintana; Sapato Florido, 1948]






eterno espanto

"Em que estrela, amor, o teu riso estará cantando?"

[Mario Quintana]


aprendiz de feiticeiro



Ou contate a moderadora.
espelho mágico

Objeto Abjeto

caderno H

a cor do invisível

Ajude: escolha pra onde vai seu imposto sem pagar nada (mesmo!) a mais por isso. Clique aqui e saiba como.



[entenda mais]
esconderijos do tempo


04.2004
05.2004
06.2004
07.2004
08.2004
12.2004
01.2005
03.2005
04.2005
05.2005
06.2005
07.2005
08.2005
10.2005
11.2005
12.2005
01.2006
02.2006
03.2006
04.2006
05.2006
06.2006
07.2006
08.2006
09.2006
10.2006
11.2006
12.2006
01.2007
02.2007
03.2007
04.2007
05.2007
06.2007
09.2007
01.2008
02.2008
03.2008
04.2008
05.2008
06.2008
07.2008
08.2008
09.2008
10.2008
11.2008
10.2009
08.2011
03.2012
06.2012
01.2013
apontamentos de história sobrenatural

Os textos encontrados aqui são fragmentos da obra de Mario Quintana - e sempre que possível será citada a fonte original, com o nome do livro e editora.
baú de espantos

banner by Cauks
template by Rnt
Powered by Blogger
a vaca e o hipogrifo

poetando

velório sem defunto

Os comentários dos leitores não refletem a opinião da autora deste blog.


Porta Giratória

Centenário Quintana
Casa de Cultura MQ
INSCRIÇÃO PARA UMA LAREIRA

A vida é um incêndio: nela
dançamos, salamandras mágicas
Que importa restarem cinzas
se a chama foi bela e alta?
Em meio aos toros que desabam,
cantemos a canção das chamas!

Cantemos a canção da vida,
na própria luz consumida...

[Mario Quintana]