<%@ Page Language="pt" ContentType="text/html" ResponseEncoding="iso-8859-1" %> Mario Quintana: Eterno Espanto <body><script type="text/javascript"> function setAttributeOnload(object, attribute, val) { if(window.addEventListener) { window.addEventListener('load', function(){ object[attribute] = val; }, false); } else { window.attachEvent('onload', function(){ object[attribute] = val; }); } } </script> <div id="navbar-iframe-container"></div> <script type="text/javascript" src="https://apis.google.com/js/plusone.js"></script> <script type="text/javascript"> gapi.load("gapi.iframes:gapi.iframes.style.bubble", function() { if (gapi.iframes && gapi.iframes.getContext) { gapi.iframes.getContext().openChild({ url: 'https://www.blogger.com/navbar.g?targetBlogID\x3d6887636\x26blogName\x3dMario+Quintana:+Eterno+Espanto\x26publishMode\x3dPUBLISH_MODE_BLOGSPOT\x26navbarType\x3dSILVER\x26layoutType\x3dCLASSIC\x26searchRoot\x3dhttp://quintanares.blogspot.com/search\x26blogLocale\x3dpt_BR\x26v\x3d2\x26homepageUrl\x3dhttp://quintanares.blogspot.com/\x26vt\x3d-4214758416779650775', where: document.getElementById("navbar-iframe-container"), id: "navbar-iframe" }); } }); </script>
segunda-feira, novembro 20, 2006

A Canção

Era a flor da morte
E era uma canção...

Tão linda que só se poderia ler dançando

E que nada dizia
Em sua graça ingênua
Dos subterrâneos êxtases e horrores em que estavam mergulhadas as suas raízes...
Mas estava fragilmente pintada sobre o véu do silêncio

Onde a morta jazia com seus cabelos esparsos
Com seus dedos sem anéis
Com seus lábios imóveis

E que talvez houvessem desaprendido para sempre até as sílabas
que outrora pronunciavam meu nome...
Onde a morta jazia na sua misteriosa ingratidão!

Era uma pobre canção,
Ingênua e frágil,
Que nada dizia...

[Mario Quintana; Aprendiz de Feiticeiro, 1950]



.

Marcadores:


4 Comments:

  • Pois é...
    Faz uma porrada de meses que eu visito esse blog, e só agora tomei coragem pra postar um 'recadim'; Delícia esse espaço.
    Até parece um café da manhã sem compromisso na padaria da esquina, naqueles dias em que a gente mata o trabalho pra ser a gente mesmo.

    By Anonymous Dan, at 4:12 AM  

  • É tão simples, porque sempre temos que chorar ao ler? :DDD

    Tudo que ele deixou para nós é maravilhoso!

    Belíssimo o trabalho realizado nesse blog, é um legado! Parabéns!

    By Anonymous Diego, at 4:35 AM  

  • .... que bom. que bom. que bom que esse lugar existe....

    By Anonymous helena, at 2:20 PM  

  • Que maravilha , quero-o na minha biblioteca e nos meus dias !
    anónimo

    By Anonymous Anônimo, at 10:16 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home

eterno espanto

"Em que estrela, amor, o teu riso estará cantando?"

[Mario Quintana]


aprendiz de feiticeiro



Ou contate a moderadora.
espelho mágico

Objeto Abjeto

caderno H

a cor do invisível

Ajude: escolha pra onde vai seu imposto sem pagar nada (mesmo!) a mais por isso. Clique aqui e saiba como.



[entenda mais]
esconderijos do tempo


04.2004
05.2004
06.2004
07.2004
08.2004
12.2004
01.2005
03.2005
04.2005
05.2005
06.2005
07.2005
08.2005
10.2005
11.2005
12.2005
01.2006
02.2006
03.2006
04.2006
05.2006
06.2006
07.2006
08.2006
09.2006
10.2006
11.2006
12.2006
01.2007
02.2007
03.2007
04.2007
05.2007
06.2007
09.2007
01.2008
02.2008
03.2008
04.2008
05.2008
06.2008
07.2008
08.2008
09.2008
10.2008
11.2008
10.2009
08.2011
03.2012
06.2012
01.2013
apontamentos de história sobrenatural

Os textos encontrados aqui são fragmentos da obra de Mario Quintana - e sempre que possível será citada a fonte original, com o nome do livro e editora.
baú de espantos

banner by Cauks
template by Rnt
Powered by Blogger
a vaca e o hipogrifo

poetando

velório sem defunto

Os comentários dos leitores não refletem a opinião da autora deste blog.


Porta Giratória

Centenário Quintana
Casa de Cultura MQ
INSCRIÇÃO PARA UMA LAREIRA

A vida é um incêndio: nela
dançamos, salamandras mágicas
Que importa restarem cinzas
se a chama foi bela e alta?
Em meio aos toros que desabam,
cantemos a canção das chamas!

Cantemos a canção da vida,
na própria luz consumida...

[Mario Quintana]